Artigos do Padre

15/08/2016 - FORMA FÍSICA

Os vasos


“Dois potes boiavam num rio. O de barro disse ao de cobre: ‘Fica longe de mim porque se me tocares serei destruído’.
Não há vizinhança mais perigosa para um pobre do que a de um senhor voraz.”

Além de transtornos por uso do álcool e de outras drogas, o uso regular de nicotina também é freqüente em mulheres com transtornos de alimentação. A freqüência do consumo de cigarros é maior em mulheres com bulimia nervosa e anorexia nervosa. Essa associação pode surgir por causa da crença comum de que o uso da nicotina pode ajudar na perda de peso. Portanto, a preocupação dessas mulheres com o peso e a forma aumentam o risco de tabagismo. A mortalidade destas doenças costuma ser alta, como mostram os resultados de um estudo japonês de seis anos com pacientes após alta hospitalar, que sugere que se bulímicas e anoréxicas tiverem como comorbidades a dependência em álcool ou em cigarros aumenta as taxas de mortalidade.

A perda do equilíbrio emocional decorrente destes transtornos alimentares leva ao uso de substâncias com potencial de causar dependência, como, por exemplo, alternar jejum com consumo de álcool a fim de evitar o ganho de peso.

A restrição alimentar altera as funções dos neurônios dopaminérgicos e a produção de hormônios cerebrais, desencadeando mais comorbidades, como transtornos do humor, da personalidade e de ansiedade.

CONTEMPLAÇÃO EM AÇÃO

“A teoria sem a prática vira “verbalismo”, assim como a prática sem a teoria vira ativismo. No entanto, quando se une a prática com a teoria tem-se a práxis, a ação criadora e modificadora da realidade.”

Queremos a fisionomia da verdadeira beleza que não está em nossa forma física, mas resplandece nela e em todo nosso ser!

Um dia um homem sem fé saiu para passear com um amigo. Viram alguém que se inclinava para o chão pegando alguma coisa na estrada. “Que coisa ele encontrou?”, perguntou o amigo. Foi um pedaço da verdade”, respondeu o outronão o perturba?”. “E isto não o perturba?”, disse o amigo. “Sim”, respondeu-lhe o homem. “Receio que ele faça daquele pedacinho de verdade uma crença!”

Nossa crença é a sobriedade!

Expressar o amor

O amor é a resposta a nosso problema. Durante séculos temos estendido os braços para Deus. Ele está lá, aqui, em todos os momentos – disponível, com boa vontade, desejoso, ansioso por compartilhar seu amor. Em sobriedade e limpeza estamos no início, admitindo por fim que, sozinhos, somos impotentes.

Mas com amor, com Deus, todas as coisas mudam. O amor parece ser uma lição tão dura de aprender! Negamos amor, privamo-nos uns aos outros do amor que deve ser expressado. Toda expressão de amor é coisa divina, pois “Deus é Amor”.

Demonstro meu amor pelos outros?

“Senhor, ajuda-me a ver todas as pessoas como seres dignos de teu amor.”